Como investir no setor imobiliário?

Que opções existem atualmente? É possível encontrar outras formas de investimento tão rentáveis como a compra e venda (ou arrendamento) de casas?

Fique a saber em que consiste cada alternativa.


Fundos Imobiliários? O que são?


Em termos práticos, os fundos imobiliários atuam como instrumento coletivo, na medida em que reúne o dinheiro de investidores (participantes no fundo) para investir em terrenos e imóveis, como por exemplo, escritórios, lojas, habitações, entre outros.

O valor de todo o património do fundo imobiliário está dividido por todos os participantes sobre a forma de unidades de participação (UP) tal qual o fundo de investimento mobiliário.

Comparativamente, podemos ver um fundo imobiliário como uma Sociedade Gestora de imóveis, que do capital disponível adquire imóveis com o objetivo de os rentabilizar, quer seja através da rendas ou até venda dos mesmos.

Eles efetuam a gestão de todo o processo burocrático envolvente permitindo que o participante só se preocupe com a recolher as eventuais rentabilidades.

Na verdade, é mesmo de uma Sociedade Gestora de que estamos a falar.

Os fundos imobiliários permitem ao investidor investir em imóveis sem necessitar de possuir muito dinheiro. Na verdade, permitem investir em vários imóveis com pouco dinheiro.


Vantagens de investir em fundos imobiliários

• Regularmente há distribuição de rendimentos através de vendas, arrendamentos, etc.

• Mediante certas condições, os fundos podem ter alguns benefícios fiscais.

• Os fundos imobiliários, na sua maioria, são negociados em bolsa, possibilitando aos interessados o investimento em imóveis, mesmo com pouco dinheiro.

• Os fundos imobiliários são uma excelente oportunidade para o investidor diversificar sua carteira.

• Ao contrário do investimento direto em imóveis, os fundos imobiliários são administrados e geridos por grandes empresas. Ou seja, a gestão dos imóveis terá um apoio especializado.

Desvantagens de investir através de fundos imobiliários

• Os fundos imobiliários são negociados em bolsa, levando a uma volatilidade (maior sobe e desce das cotações).

• Nesta modalidade também se corre o risco de conflito de interesses e de má gestão.

Como qualquer investimento, a rentabilidade do mesmo acaba por ser o fator mais importante. Sim, a valorização a médio prazo é também muito importante, mas a maior parte dos investidores procura rentabilidades altas no imediato.


Crowdfunding Imobiliário


Trata-se de uma modalidade de financiamento coletivo, mas, nesse caso, o foco dos aportes está nos empreendimentos imobiliários.

Com isso, surgiu o crowdfunding imobiliário. A ideia é simples: tornar o investimento em imóveis acessível a qualquer um.

O que antes era restrito a grandes investidores imobiliários, como investir na incorporação de um empreendimento, passou a ser estendido para todos. Por meio do crowdfunding, você consegue ter acesso às melhores rentabilidades do mercado imobiliário sem precisar investir grandes quantias, de forma prática e sem burocracia.

Existem alguns benefícios que podem ser considerados quando o assunto é crowdfunding imobiliário. Eles, no entanto, dependem dos objetivos de cada investidor para fazerem sentido.

O principal beneficio está relacionado ao fácil acesso. Afinal, o crowdfunding imobiliário costuma permitir aportes com valores baixos, inclusive menores na comparação com outras modalidades de investimento.

Outro possível benefício da modalidade é a diversificação da carteira de investimentos. Uma vez que é possível investir valores mais baixos, a alternativa torna-se mais popular no portfólio dos investidores e garante maior diversificação até mesmo para quem tem pouco para investir.

Quais são as desvantagens do crowdfunding imobiliário?

Existem diversas desvantagens que devem ser levadas em consideração pelo investidor.

Maiores riscos

  • Ao considerar o crowdfunding imobiliário, é fundamental identificar a possibilidade de não receber o seu dinheiro. Afinal, o empreendimento pode não honrar os seus compromissos junto dos investidores. Além disso, existem inúmeros problemas que podem existir ao longo do processo. Logo, os riscos são altos.

Ausência de posse do imóvel

  • Investir nessa modalidade também tem uma grande desvantagem para quem deseja, de fato, alocar recursos no setor imobiliário. Isso porque, ao investir por meio do crowdfunding, você não tem posse de quaisquer imóveis e não conta, portanto, com a segurança que um bem poderia lhe trazer. Por isso, vale a pena avaliar se o crowdfunding, de fato, faz sentido para você, ou se os investimentos em imóveis físicos são alternativas mais interessantes.

Limitação das escolhas

  • Vale destacar também que, no crowdfunding imobiliário, o investidor não tem poder para escolher detalhes acerca dos empreendimentos nos quais investirá. Você pode definir onde investir o seu capital, mas a escolha do projeto é a única que está nas suas mãos. No investimento direto em imóveis, você pode escolher um bem que esteja totalmente alinhado às suas metas, aos seus objetivos e ao seu perfil. E, assim, torna-se muito mais fácil fazer bons investimentos e até mesmo aproveitar oportunidades no mercado.

Existência de alternativas mais rentáveis

  • Aqueles que desejam investir no setor imobiliário por meio de investimentos no mercado financeiro precisam de ter em mente que há outras modalidades que podem ser mais rentáveis e até menos arriscadas. E se o seu desejo é lucrar com investimentos em prédios e casas, em muitos casos investir num imóvel pode ser mais seguro e muito rentável. Afinal, ao comprar um imóvel, ele é seu, e você pode buscar rentabilizar no seu investimento de diversas maneiras.

Investimento Imobiliário


Quando falamos em investimentos, é fundamental ter variedade: ter ações, propriedades imobiliárias, ter negócios próprios, entre outros. Deve ter o seu capital espalhado e não apostar apenas num cavalo.

Investimento imobiliário deve ser um dos investimentos mais comuns na sociedade. Quem esteja a ponderar comprar uma casa deve ter noção das vantagens e desvantagens.

Vantagens


É simples

Um investimento imobiliário é um dos investimentos mais fáceis de fazer. É bastante fácil de aprender todos os passos necessários e é fácil perceber o modelo da rentabilidade.

O que acontece regularmente é que as pessoas têm medo por envolver muito dinheiro e por isso não investem. Medo do desconhecido. Para perder o medo deve aprender sobre o negócio, adquirir conhecimento e ficar confortável com o tema. Ao ter mais informação do seu lado, fica mais confortável e confiante, perdendo o medo.

Dinheiro todos os meses

Outra vantagem de um investimento imobiliário é que quando tem uma casa ou apartamento arrendado, recebe dinheiro mensalmente dos inquilinos. É uma liquidez que está à disposição para gastar, ou voltar a investir. Ao contrário de outros investimentos a longo prazo, em que só recebe liquidez de ano a ano ou ate mais.

Valorização

Esta vantagem é clara. Uma casa tem tendência a valorizar. Se tiver tempo para esperar para o momento certo, pode ganhar bastante dinheiro com a valorização.

Algo a ter em conta é que compra e venda implica custos. Ao vender a sua casa pelo dobro do preço a que você a comprou, não terá uma rentabilidade de 100%.

Um porto de abrigo

Ter uma casa é algo palpável. Você decide o que fazer com ela. Se vai fazer obras totais, ou apenas pintar as paredes. Se vai arrendar a estudantes ou fazer Airbnb. É você que define o preço de arrendamento e mesmo de venda (idealmente dentro do peço do mercado).

Além disto, caso algo corra mal, tem sempre um sítio onde viver.

Desvantagens


Custos

Nem tudo é um mar de rosas, e ter um investimento imobiliário também tem desvantagens. Um dos pontos que muitas pessoas se esquecem, são os custos.

Temos tendência a apenas ver os €300 000 que a casa custa, mas esquecemo-nos dos custos dos registos de compra da casa + Escritura + IMT + IS (estes valores variam de imóvel para imóvel, mas poderá ter de contar com cerca de 6% do valor da compra) + valor do condomínio + avaliação do imóvel pelo banco…

E ainda… Se a casa foi comprada com um empréstimo ao banco, não se esqueça dos juros que vai pagar durante 30 ou 40 anos.

E ainda… Caso seja para arrendar tem de contar com custos de manutenção preventiva ou corretiva. Deslocações e tempo que gasta com isso. Procurar inquilinos, tratar de contratos, faturas, recebimentos, etc. Ou pagar a uma empresa para fazer tudo isso.

Ao definires um preço de arrendamento, tem que ter em conta todos estes custos.

Desvalorização

Tal como a casa pode valorizar, também pode desvalorizar. É importante pensar a longo prazo. Onde será um local estratégico? Que zonas poderão ficar mais desenvolvidas nos próximos tempos?

Mais uma vez, se a casa estiver a valer menos, não é uma boa altura para vender. Por isso, tem sempre de ter um fundo de emergência, para não precisar de vender uma casa numa altura menos boa.

Crédito de Habitação

Por norma, quem compra uma casa, pede um empréstimo ao banco. Isto implica mais custos e durante muitos anos. O ideal é ir fazendo amortizações antecipadas (se as condições do crédito forem vantajosas para isso).

Os juros que paga é uma percentagem sobre o valor em dívida. Quanto maior o valor em dívida, mais juros paga. Quanto mais rápido for amortizando o valor em dívida, menos juros irá pagar.


Então, devo ou não fazer um investimento imobiliário?


Na nossa opinião sim, se encontrar uma boa oportunidade e a estudar bem. Será sempre um risco, mas quanto melhor estudado, menos arriscado se torna.


Agora, é só escolher o tipo de investimento imobiliário que mais lhe atraiu, e começar a investir!


Visionary Fragment

  • Facebook ícone social
  • Instagram
  • LinkedIn ícone social

©2019 por Visionary Fragment.